Engajamento que transforma

Nossos Comitês de Engajamento Social, antes chamados de Comitês de Voluntariado, estão formados e com objetivos traçados para transformar a vida de muitas pessoas

Quando falamos de transformação, estamos falando sobre usar como combustível o melhor de cada um de nós, sempre com o objetivo de impactar positivamente outras vidas. Nossos Comitês de Engajamento Social têm como base este pensamento.

Após pesquisas e estudos mundiais, ficou comprovado cientificamente que praticar boas ações trazem diversos benefícios para a nossa saúde física e mental. Segundo uma análise feita em 2021 na Universidade da Pensilvânia (EUA),atitudes como doar para alguma organização social que atue em prol da sociedade ou ajudar alguém contagia outras pessoas. A partir dessa informação, percebemos que fazer o bem é um movimento que traz benefícios para todos os envolvidos

Os novos Comitês de Engajamento Social da Cyrela

Neste ano, temos comitês formados em São Paulo, Rio de Janeiro, Sul, Vivaz Vendas e CashMe. Para conhecê-los melhor, entrevistamos colaboradores que fazem parte do grupo responsável pelas ações de voluntariado corporativo.

Comitê Sul

Para a Rita Fagundes, líder do Comitê Sul, é gratificante participar: “É um privilégio fazer parte deste Comitê; nele tenho possibilidades de realizar grandes projetos, fazendo o bem para pessoas em vulnerabilidade social, com suporte de uma grande empresa. Todo trabalho voluntário é uma troca de conhecimentos e amadurecimento como pessoa, passamos nossos conhecimentos e aprendemos muito sobre a vida. Também desenvolvemos habilidades que não são do nosso dia a dia”, explica.

Atuando na área de Suprimentos da Cyrela, Rita diz que todos têm responsabilidade com a sociedade para trazer uma melhor condição de vida e inclusão social, seja através de projetos de reformas, doação de roupas, alimentos ou projetos que tragam conhecimento e habilidades para sua vida social e profissional, através de mentoria, cursos ou palestras.

“Sempre tive vontade de ajudar o próximo, já fazia trabalho voluntário antes de trabalhar na Cyrela. Entendo que podemos ajudar, mesmo que seja um pouquinho, mas faremos a diferença no dia de alguém. E os benefícios são inúmeros, visão mais clara da realidade, senso de pertencimento, crescimento pessoal, conhecimento e novas habilidades”, fala Rita.

Quando perguntamos sobre a primeira ação que será realizada no Comitê Sul, ela nos conta sobre duas que já estão programadas: “Faremos arrendação de agasalhos e cobertores, para serem doados à duas instituições. Em uma instituição, faremos em forma de varal solidário, onde as pessoas poderão escolher as peças de roupas que querem utilizar, trazendo um pouco de autonomia e dignidade. A Campanha Apoia-se, para arrecadação de valor, será destinada à compra de cobertores”, nos conta Rita.

Questionada sobre o futuro, ela fala sobre a ansiedade do time com o que está planejado: “Temos grandes expectativas para 2022, após 2 anos fazendo trabalhos voluntários de forma remota. Temos a possibilidade de voltar ao voluntariado presencial e os colaboradores (voluntários) estão bem empolgados aguardando essa ação. Nossa grande ação presencial será o DAV (Dia da Ação Voluntária), uma data aguardada pelos voluntários que gostam de colocar “a mão na massa”, trazendo melhorias físicas para instituições”, explica.

Comitê Rio de Janeiro

Quem conversou com a gente representando o Comitê do Rio, foi a líder Noemia Ângelo, que já começou o papo falando sobre como está satisfeita em fazer parte dessa rede do bem:
É um privilégio ser escolhida para fazer parte dessa equipe. Com eles eu cresço como pessoa e como profissional”, conta.

Sobre as próximas ações no Comitê, ela explica que serão arrecadados its de higiene para pessoas em situação de vulnerabilidade social e que a volta das atividades presenciais, com cautela, possibilita engajar mais voluntários que no ano anterior.

Sabendo que quem faz ação voluntária recomenda e sente-se muito bem, perguntamos para a Noêmia como surgiu a vontade de se voluntariar e o que ela enxerga que isso traz benefícios para o seu cotidiano: “Cresci em uma família que pratica ações sociais, já faz parte do nosso DNA. Os benefícios são diversos, como o desenvolvimento pessoal, aprimorando a empatia ao ver de perto a realidade do nosso país, conhecer novas pessoas com o mesmo propósito e o trabalho em equipe, além de toda a vibração em cada conquista”, responde.

Comitê São Paulo

Para saber mais sobre o que está por vir no Comitê São Paulo, batemos um papo com a líder Jaqueline Siqueira, da área de Inovação. Ela nos falou sobre como surgiu essa vontade de integrar um time dentro da empresa que tem como objetivo fomentar o bem: “Sempre fiz trabalhos voluntários fora da empresa, e quando vi que a Cyrela tinha trabalho voluntário interno, não pensei duas vezes. Tenho aprendido muito a trabalhar com o Comitê, conheci pessoas novas, de outras áreas que não tenho contato, aprendo a me organizar como líder, dividindo tarefas e assim, permitindo que cada pessoa que faz parte do Comitê mostre o seu talento e esforço para mobilizar as arrecadações físicas e online como um todo”, comenta.

Jaqueline nos diz que o sentimento é de empolgação em fazer parte do Comitê, e acrescenta que tem o privilégio de contar com pessoas engajadas e que querem pôr a “mão na massa”, cuidando de cada detalhe dos bastidores da ação.

Neste segundo semestre de 2022, as ações também já estão bem definidas: No primeiro momento, pensamos em fazer arrecadação apenas de cobertores, e aí que entramos em contato com a ONG Anjos da Leste e perguntamos quais eram as necessidades deles. Foi aí que deparamos que a maior necessidade não era apenas cobertores, e sim toucas e meias que fariam as pessoas de situação de rua mais quentes no inverno. Começamos a mobilizar doações neste sentido e fomos surpreendidos com o P&P (Pessoas & Performance) da Cyrela, que gostaria de mobilizar a ação em uma proporção maior, com doações de cobertores e ração para pets. Ou seja, nosso Comitê está à frente de três arrecadações diferentes e tivemos que ter uma maior organização, dividindo funções e tarefas. Mesmo com contratempos, o nosso time de comunicação do Comitê e a comunicação da Cyrela pensaram em algo estratégico que pudesse ajudar a divulgar as ações para colaboradores internamente e para pessoas externas com muito carinho nas publicações, divulgação com artes nos espaços físicos e nas redes sociais. A divulgação nas obras também foi muito legal, alguns colaboradores administrativos de obras ajudaram no engajamento, fazendo até caixas com as sobras de madeira, para que as coletas sejam feitas”, detalha ela com empolgação.

As ações anteriores servem de termômetro para as que estão por vir e a adesão é sempre garantida. Nestes próximos meses, Jaqueline conta que quer que essa campanha tenha muitas doações, fazendo com que cada colaborador se torne voluntário!

CashMe

Para nos falar sobre as ações da CashMe, nossa entrevista foi com a líder Luana Vendramim, que começou respondendo sobre como se sente fazendo parte de algo tão impactante dentro do Grupo Cyrela: “Fazer parte de um dos Comitês é emocionante para mim. Poder ajudar e fazer a diferença nas situações que estão presentes em nosso dia a dia, e que muitas vezes passam despercebidas, me proporciona um bem-estar imensurável. Acho incrível como pequenas atitudes mudam completamente o nosso dia a dia e a maneira que enxergamos o mundo ao nosso redor; fazer o bem ao próximo é gratificante e também um papel de muito esforço e aprendizado”, reflete.

Pedimos que ela nos contasse as ações que serão realizadas este ano: “A primeira ação do Comitê CashMe é uma arrecadação online voltada a ajudar o Instituto ADUS, uma OSC que promove a integração na sociedade brasileira de solicitantes de refúgio, refugiados e pessoas em situação análoga ao refúgio, buscando a valorização e inserção social, econômica e cultural desses imigrantes”, explica Luana.

Durante a entrevista ficou claro que fazer o bem é algo que a movimenta e ela nos contou que desde que iniciou sua jornada na CashMe e conheceu o Instituto Cyrela, se apaixonou pelo o que estava sendo feito: “eu me esforçava para participar das ações que recebia por e-mail, mas percebia que muitas vezes alguns colegas não tinham informações sobre o Instituto e,

 sobre os projetos e ações que estavam acontecendo naquele momento. No Comitê de Clima e Cultura o tema surgiu, então procuramos como fazer para nos voluntariar e trazer as iniciativas para a realidade da CashMe e para que pudéssemos também tornar isso mais presente no nosso dia a dia. Estamos bem no começo, mas já enxergo benefícios como o aprendizado que tenho, conhecendo diferentes realidades e a comunicação com diversas áreas para facilitar as ações e fazer com que elas aconteçam. Esse é só o começo de uma jornada de muito conhecimento, trabalho e desenvolvimento pessoal”, detalha Luana.

Ela finaliza nos contando que todos os membros estão muito animados em fazer parte do primeiro Comitê da CashMe no Instituto Cyrela e a expectativa em 2022 é engajar os colaboradores a conhecerem e fazerem parte das ações sociais, e trazer o espírito de voluntariado, tão presente na Cyrela, para a rotina de todos: “Contamos com um time muito participativo e disposto a assumir o protagonismo nas ações. Com isso esperamos superar nossas metas e sermos parte importante nos projetos do Instituto Cyrela”, declara.

https://institutocyrela.org.br/